Número de devedores do Simples Nacional sobe 24%

Postado em | 20 dezembro, 2011

Volume de micro e pequenas empresas com dívida é o maior da história.

O número de endividados com tributos federais aumentou 24% entre empresas optantes pelo Simples Nacional.

Em agosto de 2010, segundo a Receita Federal, 484 mil micro e pequenos negócios tinham débitos. No mesmo mês deste ano, eram 600 mil.

O volume é o maior já apurado pelo órgão, segundo João Paulo Fachada, coordenador-geral de arrecadação e cobrança da Receita.

Parte da alta, segundo ele, está ligada às adesões ao Simples, que cresceram 11% entre 2010 e 2011 -passaram de 1,12 milhão para 1,24 milhão.

Hoje, há 5,8 milhões de empresas enquadradas nesse sistema de tributação.

Outra razão é que o órgão não excluiu devedoras do Simples neste ano. Em 2010, 30 mil passaram para outra forma de tributação, que pode ser mais onerosa.

Entre grandes companhias, Fachada afirma desconhecer quantas são inadimplentes, mas calcula que o número tenha caído. A Receita, que cobrava débitos por lote, passou a exigi-los mensalmente neste ano, explica.

Para Bianca Xavier, professora de direito tributário da FGV-RJ (Fundação Getulio Vargas), a alta está ligada ao refinamento da fiscalização.

Ela diz que as expectativas de aprovação das mudanças no Simples, que reduziu alíquotas de impostos e possibilitou o parcelamento de débitos a partir de 2012, aumentaram a insegurança e podem ter feito as “pequenas empresas esperarem [para pagar]“.

O gerente de políticas públicas do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Bruno Quick, acrescenta que dever é forma de sobreviver. “O empresário financia o negócio atrasando com fornecedor ou não pagando imposto.”

Foi o que fez Marcos Alexandre dos Reis Cardillo, 36, dono da gráfica Alfa Print há dez anos: deixou de lado os tributos para fugir dos juros dos empréstimos bancários.

Com dívida acumulada de cerca de R$ 50 mil, ele aderiu ao Refis (Programa de Recuperação Fiscal) em 2000.

Esse foi o primeiro. Cardillo ainda aderiu a outros dois programas de parcelamento -um deles já foi quitado.

Programa de renegociação é alternativa

Débito pode levar à penhora de bens e impedir participação em licitações

Há três anos, o débito de R$ 20 mil em tributos federais fez Victor Riccelli, 63, dono de uma empresa de informática e gestão financeira, aderir a um parcelamento.

Quando a empresa estava ativa, cerca de 35% do faturamento bruto médio mensal de R$ 10 mil eram destinados aos impostos. A dificuldade de arcar com os tributos o fez procurar a Receita Federal para efetuar o pagamento da dívida -estratégia adotada por boa parte dos empreendedores endividados.

Riccelli está com as parcelas em dia, mas, há dois anos, a empresa está apenas no papel. “Estou pagando as dívidas para poder enterrá-la.”

Voltou ao mercado de trabalho aos 61 anos. Hoje, 50% do salário vai para a quitação do débito, que está programada para ocorrer em 2013.

O diretor da Auditoria Brasileira, Péricles Porto, explica que fechamento do negócio após renegociação é incomum. Além do parcelamento, o empresário pode optar pela adesão a programas como Refis (Programa de Recuperação Fiscal) ou PPI (Programa de Parcelamento Incentivado), segundo ele (leia mais na página ao lado).

Como os programas são abertos sem periodicidade fixa -é preciso decreto para autorizá-los-, no entanto, confiar apenas nessa solução é arriscado, avalia Porto.

Permanecer com a dívida até que um deles seja aberto pode resultar em inclusão no Cadin (Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público Federal), o que impede a participação em licitações, por exemplo.

PREJUÍZO

Para microempresários, a consequência maior é serem excluídos do Simples, explica Patrícia Nadalucci, advogada tributarista da Themis Consultoria. “Ele passa a pagar mais em tributos”, avalia.

O risco também envolve a execução da dívida, acarretando perda de bens, como ocorreu com E.S.M., 67.

Com um débito de R$ 17 milhões com o Estado de São Paulo, o empresário do ramo da borracha teve de ceder o imóvel da empresa em 2006 para arcar com a dívida.

“O prédio era novo e só o aluguel me renderia hoje R$ 300 mil por mês. Era a minha aposentadoria, mas eu queria voltar a dormir.”

Simples

Empresários podem pagar dívida em 2012
As dívidas tributárias apuradas no Simples poderão ser parceladas em até 60 meses, com correção pela Selic (11% ao ano) e valor mínimo de R$ 500. A parcela mínima para empreendedor individual será analisada. A Receita (www.recei

ta.fazenda.gov.br) disponibilizará formulário do pedido pela web em 2 de janeiro.

Fundo de reserva é chave para gestão
É preciso analisar custos e ponderar valores de impostos e de contas para determinar o quanto deve ser poupado

Traçar estratégias, como criar fundo de reserva, é, muitas vezes, negligenciado. Mas são essas táticas que salvam empresas em tempos difíceis.

É o que faz o Grupo GR, de serviços terceirizados, segundo o diretor jurídico, Rogério Gomez, 48. “Consideramos tributos contas como quaisquer outras”, afirma.

Como diferencial, a empresa efetua o pagamento de impostos em juízo -ou seja, ainda que estejam sendo questionados na Justiça, os tributos são pagos em dia. “Se vencermos o processo, o dinheiro volta como lucro. Caso contrário, [o débito] já está quitado”, explica.

Para Vagner Jaime Rodrigues, sócio da consultoria Trevisan Outsourcing, a solução para evitar dívida é simples: planejamento. “[Os empresários] deixam de pagar por má gestão”, afirma.

ESTRATÉGIA

Reduzir os gastos é uma das formas de aumentar as reservas, orienta Rodrigues. A indicação é investigar a planilha da empresa para verificar o que pode ser suprimido.

Não há, contudo, fórmula mágica para chegar a um percentual ideal de faturamento bruto a ser poupado.

Muitas vezes, entre negociar diretamente com a instituição credora e esperar programas de parcelamento, como o Refis, a segunda opção é mais vantajosa, avaliam Cláudio Carvajal, professor da Fiap, e Walther Bottaro de Castro, sócio da assessoria Castro & Hayashi.

“Isso não significa que o empreendedor tenha de deixar de pagar, mas, de fato, os programas são mais vantajosos”, enfatiza Carvajal.

O último recurso deve ser contratar empréstimo bancário, explicam consultores, porque os juros cobrados podem comprometer ainda mais o caixa da empresa.

CAMILA MENDONÇA
Folha de S.Paulo

Omar.adv.brNOSSO COMENTÁRIO: diante dessa inadimplência tão significante, não tem jeito: é necessário permitir e facilitar o parcelamento de débitos, assim como reduzir os encargos tributários, como ocorreu com o aumento do limite para 2012.

Comentários

9 Respostas para “Número de devedores do Simples Nacional sobe 24%”

  1. Celso Marques
    20th dezembro, 2011 @ 11:52

    De fato, a impressão que fica é que um Refis acaba trazendo a dívida para um patamar menos acachapante com o contribuinte. Se formos analizar friamente, o Refis acaba se tornando uma forma de corrigir parte da descrepante carga tributária que sofremos. Nosso dinheiro, ao recebermos é tributado na fonte pagadora, tributado em nosso recibo e depois tudo o que comprarmos sofrerá nova tributação, e o pior, ainda continuaremos devendo imposto de renda no final de todo ano. Alguém, em sã consciência, seria capaz de descartar a necessidade de um refinanciamento como esse todo ano?

  2. Adalberto Vicentini
    20th dezembro, 2011 @ 13:34

    Celso,
    É triste saber que o Refis é visto como uma forma do contribuinte “tirar vantagem” do Governo…

  3. Celso Marques
    20th dezembro, 2011 @ 17:39

    Infelizmente, Dr. Adalberto, esse raro ser do tipo que “só tira vantagem”, supostamente ainda consegue ter caixa dois (praticamente impossível, uma vez que tudo que é informação vêm sendo cruzado via sistema) ou no mínimo não utilize banco, nem documento fiscal em suas transações. Negociando na base do “dinheiro na mão”, guardada a condição de extremo risco, este sim consegue, num primeiro momento, tentar “fugir do fisco”. O problema é depois, como “esquentar” (justificar variação patrimonial) sem ter que recorrer aos negócios de fachada ou aos chamados “laranjas”. Pior ainda e mais difícil de tudo é a alienada postura da Receita em considerar o Refis uma espécie de “injustiça” ou “lei do Gerson” e ao mesmo tempo considerar o mecanismo de arrecadação vigente como algo “justo” e eficaz, que não tire todo o fôlego do contribuinte ou empreendedor. Parece que vivemos ao mesmo tempo com o pé em “dois Brasis”. Por mim, sinceramente, o Refis deveria ser votado anualmente ou ser definitivamente transformado em lei. Forte abraço!

  4. wesley duarte
    28th dezembro, 2011 @ 8:27

    EEE PARECE QUE O REFIS VIROU LENDA/? O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, garantiu, em entrevista que o Refis acabou e quem nao vai ter mais , tenho 2 perguntas

    1-ISTO E UMA VERDADE,NAO E MELHOR O GOVERNO TENTAR UMA NEGOCIAÇAO E TENTAR ARRECADAR MAIS?

    2-TEM COMO ACABAR ESTE BENEFICIO POR VEZ? REFIS NUNCA MAIS, ENTAO E ISTO MESMO??

  5. Adalberto Vicentini
    28th dezembro, 2011 @ 8:56
  6. santiago
    10th janeiro, 2012 @ 10:39

    as dividas do simples anteriores a 2005 nao entram neste novo refis?

  7. Adalberto Vicentini
    17th janeiro, 2012 @ 13:38

    Santiago,
    Os débitos do Simples Federal podem ser parcelados através do Parcelamento Ordinário (débitos federais).

  8. Rogerio Luis
    17th janeiro, 2012 @ 17:56

    Boa tarde, será concedido algum tipo de desconto no parcelamento??

  9. Adalberto Vicentini
    18th janeiro, 2012 @ 8:17

    Olá Rogério,Não há qualquer tipo de desconto. Trata-se do valor atualizado, parcelado em até 60 vezes (respeitando uma parcela mínima de R$ 500,00).

Deixe uma resposta





  • Simulador

    Cursos e Palestras sobre o Refis da Crise

  • Contrate!

    Consultoria e Assessoria no Refis da Crise

    Cursos e Palestras sobre o Refis da Crise

  • O que mais citamos

  • Siga-nos!

    Siga o Refis da Crise no Twitter